Programação em flash: O que foi esta ferramenta?

Programação em flash: O que foi esta ferramenta?

A programação em Flash é um software multiplataforma da Adobe. O Adobe Flash permite uma criação dinâmica com imagens e animações. Até pouco tempo atrás, diversas animações em navegadores eram feitas utilizando este recurso.

 

No entanto, depois de quase 25 anos de existência, no dia 31 de dezembro de 2020 a Adobe encerrou esse plugin.

 

Apesar de ter sido abolida dos navegadores, como o Chrome, Mozilla Firefox e Microsoft Edge, ainda é uma tecnologia muito utilizada em mídia indoor.

 

Estas tratam-se de mídias em espaço fechado, como os telões em supermercados, nas lojas de impressao 3d brindes, em consultórios médicos, em estações de metrô, entre outros, além de games e em aplicativos. 

 

Nesse artigo, você vai entender quais eram as funcionalidades e vantagens dos arquivos com a extensão “.swf” (Shockwave Flash File), e por qual motivo essa ferramenta revolucionou o ambiente digital. 

 

Conhecimento é poder, e a compreensão dessa tecnologia que fez história no meio digital e no marketing pode te trazer uma visão diferenciada para o desenvolvimento de um aplicativo para a sua empresa de ferramentaria de moldes, por exemplo.

 

Portanto, acompanhe a leitura deste conteúdo para conhecer todos os detalhes do que foi o Flash no transformação de sites.

História do Adobe Flash Player

A tecnologia Flash surgiu no ano de 1996, criada por Jonathan Gay, programador da empresa FutureWave. Originalmente, o Flash recebeu o nome de FutureSplash Animator, e era programado em Java.

 

Essa programação surgiu para revolucionar o mercado, principalmente os websites, visto que as páginas começaram a exibir animações, vídeos, sons, entre outros.

 

A interatividade havia chegado para transformar os sites em canais muito ricos, o que transformaria esse conceito para sempre. A influência dessa ferramenta no marketing digital foi inegável, ditando o rumo da história mundial da publicidade. 

 

Por seu excelente desempenho no Internet Explorer, logo chamou a atenção da Macromedia, que a comprou e transformou a tecnologia no Macromedia Flash 1.0. 

Foi quando surgiu a linguagem AS.

 

O sucesso da ferramenta atraiu a próxima empresa a comprar a tecnologia, e em 2005 foi a vez da Adobe fazer uma proposta bilionária à Macromedia. 

 

A ferramenta foi reestruturada e voltada mais para os programadores do que para designers, como era antes.

 

Surgia então o Adobe Flash Player, um software do tipo plugin (que adiciona funções a outros programas maiores) que tinha como finalidade suportar os tipos de gráficos vetoriais desenvolvidos com AS, disponibilizado gratuitamente para download no site da Adobe.

 

Então, passou a incluir aplicações de diversos tipos passou a ser possibilitada, como imagens, músicas, vídeos, animações, etc.

 

Os arquivos em Flash eram desenvolvidos para serem reproduzidos em diversos tipos de dispositivos e em qualquer navegador, porém, era necessário que se fizesse a instalação do Adobe Flash Player para que seu funcionamento fosse efetivo.

 

Portanto, alguns arquivos não podiam ser executados em um ambiente sem esse plugin especial, por isso, deixou de funcionar nos navegadores. 

 

Os sites em  Flash eram fantásticos visualmente, e traziam grande destaque para aquele anúncio de gravacao a laser de caneta em metal.

Por dentro do ActionScript

ActionScript 3.0 é o nome da linguagem de programação em Flash, conhecido popularmente entre os programadores pela sigla AS.

 

É a linguagem utilizada nos ambientes de execução do Adobe AIR e do Adobe Flash

 

Trata-se de uma linguagem de programação orientada a objetos (OOP). Essa forma de programação se aproxima muito da maneira com que interagimos com o mundo real, o que a torna mais simples, necessitando apenas de um conhecimento básico de programação.

 

O ActionScript  conta com todos os operadores típicos de qualquer linguagem (operadores aritméticos, operadores de igualdade e operadores de comparação), assim como as estruturas condicionais e estruturas de repetição, funções, eventos, propriedades e links. 

 

Antigamente permitia o desenvolvimento de aplicações para: 

 

  • Web;

  • Desktops, como computador completo;

  • Dispositivos móveis;

  • Televisores do tipo Smart TV. 

 

Mas, como é sabido, as atualizações do plugin para os navegadores não existem mais e foram substituídas pelo HTML5. Seu grande diferencial era a forma com que permitia a manipulação de dados e interatividade. 

Vantagens desse software

Não é à toa que os sites em Flash eram tão famosos. Confira algumas vantagens que os sites obtinham ao adotar esse plugin

1 - Várias ferramentas para criar um objeto .swf

Talvez fosse o principal motivo da popularidade do uso do Flash para a construção de sites. Eram muito simples de serem feitos, uma vez que existe uma boa variedade de ferramentas e softwares específicos para criar objetos em formato .swf.

2 - Sites mais atraentes

Os sites feitos em Flash, quando bem trabalhados, costumavam ter um visual muito atraente. 

 

No seu e-commerce de embalagens delivery personalizadas, por exemplo, poderia ser aplicado uma grande variedade de animações e efeitos, o que chama a atenção do usuário.

3 - Não precisava ser um programador profissional 

Não eram necessários conhecimentos avançados de programação para criar esse tipo de site, bastava um pouco de estudo. 

 

Ademais, ainda existem diversos tutoriais disponíveis na internet para utilização da linguagem AS para a criação de objetos dinâmicos.

4 - Reprodução de áudios e vídeos 

Era possível reproduzir vídeos e músicas na internet por meio dos navegadores. Isso tornava a página de uma construcao comercial ou qualquer outro ambiente muito mais dinâmico e interativo. 

5 - Não era necessário usar somente o Flash

Não precisava criar um site totalmente em Flash. Aliás, o recomendável era utilizar esse formato para os reprodutores de vídeos, áudio e afins.

 

Sites feitos em Flash tinham muitas vantagens, no entanto, quando utilizado em todo um blog sobre iluminacao a led industrial, poderia deixar a desejar em alguns aspectos, conforme explicaremos a seguir.

Mas, por que o Flash foi abolido?

Desde 2010, com a popularização dos dispositivos móveis, o Flash Player começou a sofrer severas críticas. 

 

O investimento em recursos 3D e aplicabilidade em múltiplas plataformas transformaram a tecnologia em algo muito distante de suas origens, resultando em um plugin complexo, com graves questões de segurança e performance.

 

O então presidente executivo da Apple, Steve Jobs, fez a publicação histórica de uma carta aberta, onde apontava diversos pontos negativos sobre o Flash, principalmente em relação a viabilidade para as versões mobile de navegadores ser pesada e consumir muita bateria. 

 

Nessa ocasião, ele baniu oficialmente o Flash do iPhone, e essa foi a “sentença de morte” do plugin.

 

De fato, em sites institucionais ou comerciais (que necessitavam de muitas visitas), seu uso afetava o SEO da página, prejudicando, por exemplo, um site especializado em vendas de anel de ouro 18k, que dependia de muitos acessos para o sucesso nas vendas.

 

Em 2013 o Flash também foi banido do Android. Nesse momento já era um consenso que a tecnologia havia se tornado uma solução pesada, insegura e complexa, controlada exclusivamente pela Adobe. 

 

Ou seja, não era mais vantajoso, ainda mais enquanto alternativas melhores surgiam.

 

Em 2015 chegou a vez do YouTube abandonar o uso do plugin, e no ano seguinte, do Google AdSense

 

Frente a essa rejeição, em 2017 foi comunicado publicamente o fim da vida útil do Flash Player, e em 2020, o Adobe o encerrou para essa finalidade de execução.

 

Inclusive, já existe um substituto do Flash Player, que é o HTML5. Esse é um sistema mais leve que não depende de plugins. Diversas grandes plataformas, como o YouTube, já haviam migrado para o HTML5 antes do anúncio do fim do Adobe Flash Player

 

Ademais, existem outras ferramentas que são capazes de trabalhar layout e visual, como CSS e Adobe Animate.

 

Nas versões para celular, o Java Script é bem popular, e trata-se de uma linguagem de programação que gera informação visual, imagens 3D e animações.

Considerações finais

Fazer o seu site em Flash trazia muitas vantagens estéticas ao proprietário. Essa ferramenta revolucionou o mercado digital com sua interatividade, mudando a história. 

 

Hoje é uma ótima opção para quem deseja criar um aplicativo ou jogo online, devido ao seu sumiço por completo dos navegadores no final de 2020. 

 

O fato foi que o usuário final foi pouco impactado. A Adobe já havia anunciado o fim do plugin há 3 anos, e todos os usuários tiveram tempo suficiente para adaptarem suas aplicações. 

 

Além disso, grandes empresas como o Google, Apple e Microsoft deram suporte para a transição, exatamente para não afetar o consumidor. 

 

Na verdade, essa mudança ocorreu para os desenvolvedores das aplicações web, de forma que, se tratando do restante dos usuários, muitos sequer perceberam ou sabem que o Adobe Flash Player foi desativado.

 

Para a desinstalação, o próprio navegador faz as sugestões para guiar o usuário, visto que o processo é bem simples. 

 

Além disso, a Adobe também disponibilizou o desinstalador do Flash Player, que o usuário baixava gratuitamente em seu site. Nas versões atualizadas dos navegadores, ele já não existe.


Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.