Entenda os cookies e as informações que os sites guardam sobre você

Entenda os cookies e as informações que os sites guardam sobre você

Ao entrar em uma página da web, certamente você deve ser deparado com alguma notificação de permissão para que o site possa coletar alguns cookies que serão salvos no computador do usuário.

 

Os cookies são arquivos, de tamanho pequeno, que os sites criam para que possam identificar como é o perfil do visitante, e assim ter uma base do que pode ser personalizado na página com as suas preferências.

Assim, um usuário que buscou por um termo como cabelo humano cacheado barato e cookies foram coletados, uma loja de cosméticos e similares pode usar os dados salvos nesta pesquisa para mostrar os melhores produtos.

Em caso de uma nova visita à página, os cookies irão reconhecer o usuário e personalizar ainda mais a experiência dele conforme a sua navegação, fazendo com que todos os processos aconteçam com maior rapidez, por conta do registro da experiência anterior.

Isso se mostra como uma ferramenta de marketing digital bastante útil para informar as preferências do público, e assim conseguir estruturar as estratégias de marketing que possam prender a atenção dos visitantes por um maior tempo.

Os tipos de cookies

Antes que uma empresa de mouse pad personalizado com gel escolha quais os tipos de cookies estabelecer em seu site e em qual etapa inserir, é importante conhecê-los para saber qual se encaixa melhor com o empreendimento.

1. Cookies de sessão

Os cookies de sessão são aqueles que armazenam dados de maneira temporária, por funcionar somente enquanto o navegador está aberto. Ao ser fechado, os dados são apagados.

Esses cookies não possuem a mesma capacidade de armazenamento que os demais, por conta da falta de dados do usuário que não são captados.

A cada vez que uma visita no site é feita, os cookies coletam as informações conforme a navegação, podendo ser comparados a uma memória de curto prazo de um site. 

2. Cookie persistente

Os cookies persistentes são os que possuem data para expirar do armazenamento, embora isso também possa ser feito antes, assim como uma cirurgia de catarata em felinos logo após o diagnóstico.

Esses cookies, também chamados de permanentes, podem coletar o que irá ser característico de um usuário para mantê-lo identificado cada vez que ele entrar ou navegar novamente na página.

De uma forma geral, esse formato de cookie armazena os dados de um período entre um ou dois anos. 

3. Cookies maliciosos

Também conhecidos como cookies terceiros, estes podem ser um formato do qual trazem insegurança para os usuários da rede ao buscar assuntos que desejam em um site, como equipamento de som para igreja.

Isto porque eles rastreiam toda a atividade online e a armazena por um longo tempo, que é o suficiente para se montar o perfil do usuário e criar estratégias personalizadas para que o consumidor seja atraído, e então finalmente realize a compra do produto ou serviço.

Muitas vezes, os cookies maliciosos podem não vir do site do qual o usuário está navegando, o que torna a proteção para esse modelo ainda maior, ocasionando na escolha da rejeição de cookies dos usuários em outras páginas. 

4. Cookie zumbi

Assim como o nome, o cookie zumbi é capaz de se recriar mesmo quando alguém o exclui, o que ocorre por conta dos backups, cópias de segurança que são feitas de maneira digital, que armazena os dados fora das pastas tradicionais do cookie.

Logo, os dados da busca de proveta de vidro podem não terem sido totalmente apagados pelo usuário, porque o backup acabou retendo as informações e guardando-as em outro local.

Como os cookies são usados?

Ao serem armazenados, os cookies são usados para as mais variadas finalidades, sendo algumas delas:

  • Funções técnicas;

  • Personalização;

  • Monitoramento;

  • Publicidade.

As funções técnicas de um cookie estão relacionadas a identificar quem é novo em um site e quem já é um navegador frequente de conserto de placa mãe de notebook. Essas funções também podem ajudar a determinar as sessões que o usuário teve.

A personalização é caracterizar o site para o usuário, até mesmo trocando o idioma como no caso de lojas de empresa que podem realizar entrega para outros países, fazendo com que haja um monitoramento de como o usuário se comporta.

As abas que mais navegam ou as que não recebem visitas, criando dados do que devem ser alterados e o que podem ser melhorados para que outros usuários que se encaixem no padrão de público-alvo possam realizar.

E isso por fim, contribui na publicidade de uma empresa. Pelas preferências ficarem definidas, é importante que esses dados não sejam esquecidos na hora da montagem das estratégias de marketing, visto que, são comprovações do público-alvo. 

O que os cookies têm em relação com o LGPD

A internet é um campo que ainda pode causar algumas inseguranças, especialmente no que se refere aos dados que são coletados conforme a busca que o usuário fez ou as páginas que foram visitadas.

O LGPD, ou Lei Geral de Proteção de Dados, é a legislação que protege os dados pessoais dos usuários, o que muitas vezes pode acabar sendo um dos conflitos dos quais as empresas que utilizam cookies se deparam.

Isso porque esses pequenos arquivos acabam sendo uma amostra do que os usuários buscam e se interessam, deixando a privacidade dos usuários ainda mais instável por conta dessas plataformas e softwares que são os responsáveis pelo armazenamento.

Uma forma de evitar esse tipo de situação é um usuário buscar por um serviço de auto elétrico mais próximo daqui. Essa página deverá mostrar uma permissão para que os dados de cookies possam ser coletados.

Essas notificações funcionam como uma assinatura online que pode e deve ser reversível para o usuário a qualquer momento, sempre deixando específico que alguns dados podem ser utilizados para que os cookies possam ser validados.

Posso usar cookie no site da empresa?

Utilizar cookies em um site é uma boa maneira de saber o que o usuário prefere e criar as estratégias e campanhas em torno disso, mas que deve ser feito com a autorização e a ciência de quem está navegando pela plataforma.

Por estar relacionado à privacidade do equipamento do indivíduo, assim como de onde ele trafega pela internet, é importante que a coleta de dados por meio de cookies seja feita com o usuário tendo ciência, com a possibilidade de aprovar ou recusar a coleta de informações.

Essa opção de rejeição promove uma sensação para o consumidor que, em um futuro próximo, pode retornar e acabar consumindo o produto ou o serviço da empresa que visitou anteriormente.

Existem alternativas para não se utilizar os cookies?

Por se tratar de uma ferramenta que auxilia a captação de determinados dados para saber como o usuário está navegando e quais são as suas preferências, os cookies dificilmente podem ser substituídos de suas funções por outras estratégias.

Isto porque, esses dados que são armazenados de forma temporária ou duradoura, possuindo uma capacidade de captação e arquivo diferente de outros softwares que podem ser focados somente em uma parte.

Sendo o cartão de visita de muitos empreendimentos, os custos de um cookie se tornam mais baixos em comparação aos demais softwares que exigem uma atualização constante, ou então sempre estão em monitoramento.

Com os cookies, há uma certa autonomia para o mecanismo operar sozinho e depois ser capaz de acompanhar o que ele coletou durante o fim do dia ou o período que a empresa precisa para saber como montar sua estratégia de marketing.

A publicidade feita através dos cookies é uma das mais compensadoras para um empreendimento, que pode obter muita informação em um curto período de visita e tráfego pela página. 

Considerações finais

Considerando o aumento de usuários online o tempo todo, as empresas acabaram adotando mecanismos para que as estratégias possam ser montadas de uma forma mais personalizada para conquistar o consumidor, sendo uma dessas práticas os cookies.

Podendo ser escolhido conforme o que mais se enquadra no empreendimento, os cookies são mecanismos que devem ser coletados de acordo com a permissão do usuário, além de ser essencial deixar claro que os dados não serão vazados.

Assim, uma página de laudo veicular cautelar pode estar dentro das normas da LGPD ao solicitar permissão para a coleta de cookies, para assim conquistar consumidores e de quebra estruturar estratégias de marketing digital realmente eficientes.

Sendo cada vez mais usado e progressivamente questionado, os cookies ainda assim são fontes de coleta de dados de muitas empresas que desejam conhecer mais seus consumidores para personalizar a experiência de navegação na página..

Portanto, utilizar cookies em páginas pode ser uma solução para que, além de conhecer bem o público-alvo, possa cada vez mais fidelizá-lo, a partir de campanhas e anúncios personalizados.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.