Como gerenciar um site?

Como gerenciar um site?

Gerenciar um site é uma tarefa que envolve a instalação de suas funcionalidades, a publicação de conteúdo, a atualização de informações e a manutenção de um domínio web, garantindo sua navegabilidade estável para o usuário. 

 

Ao considerar a criação de uma plataforma própria, os gestores de um empreendimento devem projetar todas as páginas e recursos implementados, traçando possíveis jornadas do usuário de acordo com estudos voltados para o público-alvo. 

Representando o ponto de partida para a criação de produtos online, a criação de sites é popularizada com o surgimento de sistemas de gestão para indústrias de caldeiraria universal, plataformas que simplificam um trabalho destinado a programadores. 

No entanto, para gerenciar um site é necessário mais do que qualidades técnicas. 

Como uma construção, o edifício é idealizado em plantas, que contam com todos os detalhes e viabilizam o cálculo do tamanho da obra em termos de moeda e tempo. 

O que é preciso? Critérios estratégicos

As empresas devem comunicar suas características e propostas através de um site, visualizando essa plataforma como o canal central de informações sobre a organização, seus produtos ou serviços, bem como seu público-alvo. 

Um site consiste na organização de diversas páginas de modo a facilitar a navegação do usuário. 

Uma estrutura como essa abre espaço para a inserção de muitos formatos de conteúdo, onde os mais importantes para as organizações são: 

  • Landing pages (páginas de abertura ou redirecionamento); 

  • Listas de produtos ou serviços com etiqueta; 

  • Revistas eletrônicas com artigos; 

  • Fichas para contato ou cadastro. 

Cada uma dessas formas de publicação são mais efetivas quando estão em conformidade com os interesses e necessidades da marca proprietária. 

Por isso, antes de atentar-se para os detalhes técnicos, a empresa deve garantir, em seu planejamento estratégico: 

Compatibilidade entre público-alvo e proposta

O público-alvo é a amostra de uma população que apresenta características que geram a necessidade por um produto ou serviço oferecido por determinada empresa. 

Esse perfil é traçado a partir de pesquisas de um setor de instalação de piso elevado em ardosia

Essas informações podem ser cavadas por meio de pesquisas demográficas por palavras-chave buscadas em sites de pesquisa, análise da média de clientes de uma empresa ou benchmarks de concorrentes. 

O responsável por essas pesquisas deve recolher dados como idade, sexo, faixa de renda, interesses, nível de escolaridade, localização, estado civil ou presença de filhos. Com base nisso, é definido o público-alvo de um empreendimento. 

O objetivo de toda empresa é suprir uma demanda, isto é, fornecer um recurso buscado por parte da população, de forma acessível e abundante para esse público. 

Por isso, a compatibilidade entre a proposta de negócio e o alvo dela é fundamental. 

Uma empresa de piso laminado clicado, por exemplo, apresenta um perfil de demanda distinto de outros setores, como a rede alimentícia.

Esses aspectos devem ser considerados no momento da criação e gerenciamento de um site. 

As organizações devem atentar, por exemplo, para o nível de maturidade digital de seu público-alvo, adaptando a navegabilidade de seu endereço virtual ao usuário. 

Oferta de informações relevantes

Uma estratégia de marketing digital, para ser bem sucedida, precisa conquistar um fluxo intenso de tráfego para o site, apresentar-se diante da audiência. 

Para conquistar isso, a produção de conteúdo com informações relevantes é indispensável. 

Entender os interesses de seu público e oferecer dados importantes sobre o tema é um modo de demonstrar o valor agregado da marca antes da decisão de compra de uma cadeira de jantar. Os padrões de consumo veem a empresa como critério de desempate. 

É necessário considerar a concorrência no momento de ingresso no mercado virtual. Com a padronização de produtos, a personalização no consumo exerce ainda mais pressão sobre os negócios, que devem oferecer benefícios independentes da compra. 

Identidade de marca

Outro pilar da prospecção, a identidade da marca reúne as características que regem o ambiente corporativo e a comunicação com o consumidor. 

Na busca pela personalização, o usuário deseja que suas empresas favoritas sejam um espelho de seus valores pessoais. 

O investimento crescente em técnicas de humanização de marcas é um indicativo dessa mudança. 

O site de uma empresa deve comunicar sua identidade por meio de seus recursos visuais e do conteúdo que publica. 

O planejamento estratégico deve considerar o design e navegabilidade da plataforma, os canais de contato e o tom utilizado no desenvolvimento de artigos e outras peças de texto para anúncio de serviços de higienização de sofás, por exemplo. 

O que é preciso? Critérios técnicos

Ao estabelecer métricas básicas de marketing de conteúdo no planejamento do site, tendo em vista o público-alvo da ação e a identidade do negócio, o empreendimento deve desenvolver os critérios técnicos para gerenciamento do site. 

Cada publicação na rede mundial de computadores, seja ela um comentário, reação, post conjunto em fóruns ou mensagens privadas, geram um link de acesso. 

Um site é o elemento que, usando linguagem de programação, posiciona a miríade de links. 

Todos os links associados a um endereço virtual comum são páginas de um site, livres para edição como lousas cavaletes. A configuração de sua interface envolve recursos de front-end e back-end. 

“Front-end” é o termo utilizado para designar todo o trabalho de desenvolvimento web voltado para a construção de infraestrutura de navegação de sites, que consiste em todos os botões, formas, recursos de mídia e layout visualizados pelo usuário. 

Já no caso do back-end, trata-se de todo o processo de desenvolvimento das funcionalidades do site, como bancos de dados e segurança de rede, considerados a parte invisível para o usuário, razão do seu prefixo “back” traduzido como “por trás”. 

O investimento em linguagens de programação e outros recursos mais complexos para criação de sites, atuantes como molduras de quadros, podem ser reduzidos com o auxílio de algumas ferramentas técnicas, tais como: 

Sistema de gestão de conteúdo para a internet

Os primeiros exemplares desse tipo de interface apareceram no início dos anos 2000, dando início à popularidade dos blogs pessoais. 

Empresas de tecnologia desenvolveram plataformas para a criação de sites para o usuário leigo. 

Ao poupar empresas e indivíduos de um extenso trabalho de programação e organização de links, esses sistemas livres simplificam o processo ao oferecer painéis de controle que realizam, rapidamente, serviços como: 

  • Escolha do tipo, cores e posicionamento do layout; 

  • Edição de publicações; 

  • Edição de links, botões e recursos de mídia; 

  • Gestão de APIs. 

Essas funcionalidades são disponibilizadas por diversas marcas de maneira gratuita, por meio de um cadastro que deve ser feito pelo usuário. 

Na versão sem custos, o endereço do site gerado contém o nome da empresa em seu domínio. 

Pacotes pagos, por outro lado, disponibilizam funcionalidades mais detalhadas e permitem a conversão do domínio para uma das siglas mais usadas por empresas, como “ponto com”, “ponto org” ou “ponto net”, útil para um catálogo de bateria automotiva 60a

Essa transição é importante pois estabelece uma relação de maior autoridade e confiabilidade ao site. 

Versões premium desses sistemas de gestão permitem o acesso ao código-fonte do site, o que é bom para projetos mais complexos em termos de estrutura. 

Por que investir em um site?

O site é uma das primeiras estruturas a surgir na internet, o pontapé inicial para a organização de endereços web e sua consequente otimização para o usuário doméstico. Ainda hoje, não perdeu sua posição em termos de importância e procura. 

É seguro dizer que o investimento em um site passa pela criação de um projeto de marketing, o estabelecimento das ferramentas de comunicação necessárias e a implementação de infraestrutura com o auxílio de sistemas de gestão. 

Esses recursos tornaram os sites acessíveis para os pequenos criadores de conteúdo, com baixo poder de financiamento, além de aumentar a segurança e acelerar o desenvolvimento da rede como se conhece hoje. 

Alguns benefícios dos sistemas de gestão são: 

  • Maior produtividade na instalação de infraestrutura; 

  • Maior estabilidade na navegação de páginas; 

  • Maior nível de integração à Big Data; 

  • Otimização da comunicação. 

Por isso, é seguro dizer que sem os sistemas de gestão de sites, muito do que se conhece sobre a internet levaria mais tempo para surgir, como o nascimento do comércio online e das revistas digitais. A gestão de sites trouxe empresas para o mundo virtual. 

Conclusão

Portanto, gerenciamento de sites é uma atividade muito mais simples quando há o planejamento correto e o uso de ferramentas eficazes para o auxílio na tarefa. 

Uma vez que o site é uma importante parte do marketing digital, elevar sua qualidade é muito benéfico. 

Reunindo múltiplos links, páginas e funcionalidades, o site oficial de uma marca deve passar por processos de manutenção e atualização diárias, com publicação de novos produtos ou artigos para atração e qualificação de novos clientes. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.